Aquífero inter dunar, ponto de captação da CASAN. Arq. Rasgamar

Aquífero inter dunar, ponto de captação da CASAN. Arq. Rasgamar

Água nossa de cada dia

A ÁGUA, líquido sagrado, significado que se confunde com o de VIDA, está novamente no centro das preocupações das comunidades da Ilha. Num simbólico ativismo em defesa do BEM DA VIDA, denominaram-no de “Romaria em Defesa da Água do Cabo de Santa Marta”. Deverás, se o alerta não chegar aos ouvidos das autoridades competentes, diga-se, muitas (in)competentes, o frágil aquífero poderá desaparecer.

Isso mesmo, o reservatório de água subterrânea, alimenta-se com águas das chuvas que caem sobre as restingas e dunas infiltrando-se e acomodando-se, caprichosamente, num bolsão de água potável. Como a região apresenta chuvas regulares durante todo o ano (em torno de 100-120 mm/mês), sempre a ÁGUA NOSSA DE CADA DIA esteve presente na mesa dos moradores da Ilha.

Contudo, a ameaça paira no ar, no solo, na paisagem e, acima de tudo, nas mentes dos que lá (e aqui) vivem. Sim, porque, a água deles, é também a NOSSA ÁGUA DE CADA DIA. Os homens do “mau” e as autoridades (in)competentes pensam grande em termos de futuro. Porém, pensam de forma pequena em termos de proteção dos bens frágeis, escassos e necessários à vida humana e às demais formas de vida. Para as áreas de recarga do aquífero, eles (os insensatos) já implantaram tanques de carcinicultura e loteamentos e, pensam em colocar, parque eólico e estrada com capeamento de asfalto. Até parece uma morte anunciada; matam-se a paisagem com suas dunas, restingas, marismas, lagoas, praias e as águas, a fauna, a flora, enfim, tudo o que tiver VIDA. Assim são os homens do “mau” e as autoridades (in)competentes: INIMIGOS DA VIDA.

Mas, como Fênix ressurge das cinzas, a “Romaria em Defesa da Água do Cabo de Santa Marta” surge em um cantinho do Planeta Terra muito especial. Primeiro, a comunidade do Cabo de Santa Marta Grande sofreu, drasticamente, na década de 80 quando constatou que o lençol freático que abastecia a comunidade estava contaminado. A partir deste momento teve que lutar para garantir o atual abastecimento da ÁGUA NOSSA DE CADA DIA. Assim, é um alerta de que o BEM DA VIDA poderá ser novamente exterminado. Segundo, o Farol de Santa Marta irradia um feixe luminoso em todas as direções propagando-se indistintamente às comunidades da Ilha. Assim, é possível que este movimento seja também uma luz a todos que dependem deste BEM DA VIDA.

Qual será, então, o futuro deste BEM DA VIDA? O futuro dependerá do nosso comprometimento e do nosso zelo para com a ÁGUA NOSSA DE CADA DIA e também da nossa solidariedade àqueles que estão diretamente em sua defesa, na forma de “Romaria em Defesa da Água do Cabo de Santa Marta”.

Mas não há dúvidas de que o futuro do BEM DA VIDA dependerá, também, do fortalecimento e irradiação do movimento para as demais comunidades que dependem deste BEM DA VIDA; dependerá de um diálogo continuado com as autoridades competentes, àquelas que defendem estas iniciativas comunitárias: Ministério Público Federal, APA da Baleia Franca; dependerá de apresentação de propostas alternativas para o uso sustentável do território, como: a criação e implantação de uma unidade de conservação de proteção integral; e, acima de tudo, dependerá de uma constantemente mobilização, de uma constante vigília, daqueles que são AMIGOS DA VIDA.

 

Profº Aldo Fernando Assunção, Advogado Ambientalista.

Leave Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

clear formSubmit